Bem Vindo Willkomen Bienvenu

Bem Vindo ao blog arte sacra funchal, com trabalhos de arte sacra de Marco Funchal em pinturas, azulejos e arquitetura. A arte sacra é uma forma de evangelização, evangelizar por meio da imagem que fala no silêncio. Agradeço pela visita. e-mail: funchalmarco@hotmail.com
(11) 5071 3808, Brasil. whattsapp (11) 962620768, (oi).

domingo, 15 de outubro de 2017

Igreja de São Francisco de Assis, Cidade de Três Rios RJ

Na cidade de Três Rios, que já se tornou querida para mim, foi elaborada a pintura da capela do Santíssimo da comunidade de São Francisco de Assis, localizada na região do bairro Purys, um bairro que se localiza na periferia da cidade, o que incentiva a alegria por esta obra, que valoriza uma capela simples. Abaixo a sequência das imagens.
Foi representados, nas paredes laterais São Francisco de Assis e na parede oposta Santa Clara. Ao centro temos a representação da imagem inspirada no ícone bizantino de Cristo Pantocrator, tendo abaixo dois anjos em sentido de adoração.
A inspiração bizantina é nítida no Cristo e nos anjos, mas algumas outras referências foram adicionadas, como as arcadas góticas nas paredes laterais, já que o gótico era uma forma arquitetônica contemporânea na época de São Francisco.













sábado, 14 de outubro de 2017

ícones

Como o texto anterior coloca aspectos da arte bizantina, as razões históricas e teológicas, esta postagem irá mostrar ícones escritos por Marco Funchal, já que ícone não se pinta, mas se escreve, como um modo de figurar o Logos divino.





Arte bizantina, Βυζαντινή τέχνη

Sobre a questão da arte bizantina
A arte bizantina é muito divulgada através dos ícones, que seguem um cânone, legado por uma tradição que foi gestada no meio popular da época bizantina associando-se com a espiritualidade monástica. È natural do ser humano se encantar co o belo e considerar a beleza como um dos atributos do divino. A arte dos ícones é a busca desta beleza, de uma beleza não temporal, isto é, não cronológica, mas sim de uma beleza que se inspira no kairós, καιρός,  isto é, no tempo oportuno, que é o tempo oferecido por Deus.
O termo bizantino possui uma extensão muito ampla, portanto não oferece por si mesmo, um único sentido limitado. Por bizantino se pode entender a arte realizada na época pouco posterior ao período paleocristão, durante o império romano, tanto no ocidente, como nas catacumbas romanas, quanto na Ásia, Síria, Grécia, Egito, Capadócia,  se pode entender também como o império romano do oriente, que se cediou na cidade de Bizâncio chamada por Constantinopla, também se pode entender a liturgia oriental e as igrejas que seguem a liturgia oriental, que englobam as ortodoxas e as chamadas de uniatas.
A inspiração que a época bizantina motiva até os dias de hoje é a legada pelos padres do deserto, como Evágrio Pontico, Santo Antão, Santo Antonio do Egito, entre muitos outros, que inspiraram a vida monástica de São Bento no ocidente. O Egito foi uma das primeiras terras onde a vida monástica se estabeleceu como uma reação ao martírio e como um assumir mais profundo de uma morte das coisas do mundo para uma vida em Deus.
Os ensinamentos de Evagrio Pontico são de grande atualidade e embasaram os ensinamentos da teoria do Eneagrama, um estudo muito aplicado em empresas para exames vocacionais e utilizados por psicólogos nos dias de hoje.
Na teologia o período bizantino foi muito fértil como exemplificam os primeiros sete concílios entre eles o importante concílio de Éfeso de 431, onde se declarou o título de Teotokos à Maria, Nossa Senhora, (em gregoΘετοτόκος  "Mãe de Deus" e o importante concílio de Nicéia de 787 que sancionou a liberdade de representação da face de Jesus e de seus santos, provando que toda discussão posterior a respeito das  imagens é uma discussão que parte de homens que estão ainda necessitados de estudos teológicos mais sólidos, afinal o caminho da luz também é exigente.
A liturgia bizantina foi considerada a mais bela pelos emissários do czar russo e foi adotada oficialmente na Rússia.
Enfim aqui cabe dizer a respeito da arte bizantina, a arte dos ícones, ao contrário do gótico, do românico, do barroco, todas morreram, mas a arte dos ícones jamais morreu. O ícone recebe influências da arte renascentista e neoclássica, mas não se perdeu o caráter da técnica e de sua funcionalidade e certas regras seguidas pela tradição foram mantidas.

Pela antiguidade da técnica e pela preocupação que os iconógrafos, ( iconógrafo, εικονογράφος, quem escreve o ícone), tiveram pela fidelidade aos modelos mais antigos, pela busca de uma transparência com a teologia, o ícone se coloca, justamente por sua antiguidade, como uma arte renovadora de nosso tempo atual, o que justamente parece velho é o que renova, o que significa, na verdade, uma eterna juventude do ícone, esta eterna juventude afronta aos simples modismos condicionados pela ordem cronológica que está fadada à sua auto destruição, para anunciar um tempo em que a Verdade, o Belo possam ser próximos do Eterno.